10 batalhas mais Mortais da 1ª Guerra Mundial

A primeira guerra mundial foi conhecida em sua época só como a Grande Guerra (obviamente) ou "a guerra para acabar com todas as guerras", mas sabemos que isso não seria verdade por uma razão simples: a Segunda Guerra Mundial, que viria anos depois. A Primeira Guerra foi a primeira guerra da era moderna e considerada a primeira tecnológica.

As armas e defesas haviam evoluído, a Revolução Industrial havia aumentado a capacidade de construção e consequente destruição de tudo. Não é à toa que o número de mortes foi catastrófico e massivo em várias das grandes batalhas e vamos falar um pouco delas à seguir:

10. Batalha de Tannenberg (182.000 mortos)
Após a falha da invasão russa ao Leste da Prússia, os russos procuraram prejudicar os alemães em Gumbinnen e empurrá-los para o Oeste. Os alemães rapidamente se moveram para consolidar a posição do Oitavo Exército Alemão frente ao contingente russo. Apesar de estarem em menor número em relação aos russos, os alemães estavam dispostos a não desistir de Tannenberg. Os russos sofreram 1700.000 baixas versos 12.000 baixas dos alemães, graças às falhas dos comandantes russos e da inefetividade do exército.

9. Batalha de Arras (278.000 mortos)
Por volta de 1917, o fronte Fronte Ocidental já estava resistindo por muito tempo. Muitas batalhas sangrentas já haviam ocorrido lá como as batalhas de Verdun e do Somme, ocasionando milhões de mortes de ambos os lados da guerra. O alto comando dos Aliados precisava barrar o avanço das linhas alemãs e o exército alemão estava em número inferior e uma vitória sólida poderia ajudar a acabar com as forças deles. Como resultado, um plano foi formado um plano foi criado para tomar de assalto os alemães na cidade de Arras, combinada com o exército francês pelo Sul. A Batalha de Arras iniciou em 9 de abril de 1917 e quando se encerrou em 16 de maio de 1917, ocorreu a vitória dos britânicos, com um alto custo de 158.000 mortes na ação de assalto e os alemães 120.000.

8. Batalha de Gallipoli (473.000 mortes)
Em 1915 a guerra no Oeste estava intensa, ambos os lados haviam construido redes massivas de trincheiras e haviam perdido uma enorme quantidade de homens nas várias ações realizadas. Sir Wiston Churchill decidiu atacar Dardanelles, uma vez que os aliados esperavam desbloquear o Fronte Ocidental e prover algum alívio às tropas russas. Quando os ataques navais iniciais falharam, os Aliados resolveram fazer um grande assalto ao exército otomano, acreditando que os turcos entrariam em colapso, com poucas casualidades. Contudo, o oposto aconteceu, pois as tropas resistiram às investidas e Gallipoli acabou por sofrer dos mesmos problemas do Fronte Ocidental com as forças britânicas, australianas e neo-zeolandesas. Os aliados perderam 220.000 homens, os turcos 253.000 e o império otomano acabou "vencendo" a batalha.

7. Primeira Batalha de Marnes (483.000 mortes)

Em setembro de 1914, o exército alemão estava muito próximo de Paris e as forças da França e Inglaterra já tinham sofrido centenas de milhares de baixas na tentativa de parar os alemães. Desesperados para parar os germânicos, as forças aliadas se consolidaram no rio Marnes, fora de Paris. Os Aliados finalmente conseguiram expulsar os alemães da França e fizeram um contra-ataque com 5 exércitos franceses e um britânico, causando uma enorme perda de homens para o exército alemão e os forçando a abandonar seus planos originais e se retirar. Este evento foi chamado então de "Milagre do Marnes". Apesar da vitória dos Aliados, a batalha teve um alto custo: 263.000 mortes do lado Aliado e 220.000 do exército alemão.

6. Campanha Sérvia (mais de 633.500 mortes)
Quase todo mundo sabe que a Primeira Guerra Mundial começou devido ao assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando (Franz Ferdinand), herdeiro do império Austro-Húngro, cometido pelo sérvio Gavrilo Princep. Isso fez com o que os russos declarassem guerra ao império e os alemães, por sua vez declararam guerra à Rússia. A Campanha Sérvia iniciou em Belgrado em 29 de julho de 1914. Apesar de estarem em menor número, o exército sérvio lutou muito e até chegou a planejar uma invasão à Áustria. Em 1914 e em 1915, quando os alemães e búlgaros se uniram aos autríacos para conquistar a Sérvia lançando uma nova ofensiva que culminaria na Batalha de Kosovo em novembro e dezebro de 1915, o exército sérvio foi finalmente derrotado. A campanha foi terrivelmente sangrenta para ambos os lados, com austríacos, alemães e búlgaros somando 313.500 mortos e os sérvios 320.000.

5. Batalha de Passchendaele (848.614 mortes estimadas)
Esta batalha, ocorrida de julho a novembro de 1917, tornou-se sinônimo de selvageria e miséria nas trincheiras da Primeira Guerra. Também conhecida como a Terceira Batalha de Ypres, o objetivo da contenda era ultrapassar a vila de Passchendaele no Oeste de Flandres, Bélgica, e flanquear o exército alemão. Em uma série de oerações contra as linhas germânicas, os Aliados muito fizeram em batalha, culminando na tomada da vila pelas Forças Canadenses em 6 de novembro de 1917, finalizando a batalha. As condições durante a batalha era deploráveis, ambos os lados sofreram imensamente com o alto índice de mortes. O primeiro ministro britânico na época, David Lloyd George, usou a batalha como exemplo de desperdício e má administração. Os Aliados perderam um total de 448.614 honens e os alemães 440.000.

4. Batalha de Verdun (976.000 mortes)
Assim como a Batalha do Somme foi planejada por muito tempo, os alemães efetuaram ataques massivos às forças francesas próximas à cidade de Verdun-sur-meuse. Apesar de um dos objetivos dos alemães ser capturar a cidade, um outro muito mais simples era muito mais aparente: simplesmente matar soldados franceses, o que quebraria o moral e força de seus exércitos e os faria recuar. Os franceses entretanto, defenderam Verdun com tudo o que podiam, provocando uma imensa quantidade de baixas no exército alemão, enquanto também sofriam muitas baixas de seu próprio lado. Por volta de 40 milhões de tiros de artilharia foram trocados em batalha, enchendo a área de crateras, algumas das quais ainda são visíveis até hoje e o grito de guerra francês 'They shall not pass!" (Eles não passarão, em tradução livre) se popularizou. Verdun se tornou para franceses e alemães o que Somme se tornou para os britânicos: um símbolo de horrores da guerra em geral e da futilidade da Primeira Guerra mundial. Os franceses perderam 542.000 homens e os alemães 435.000.

3. Batalha do Somme (1.219.201 mortes)
Um dos maiores matadouros da Primeira Guerra Mundial, o Somme ainda permeia as mentes de muitos britânicos como um exemplo dos massacres da guerra. Planejada em 1916, o objetivo da batalha era ser um esforço massivo Anglo-Francês para criar uma ruptura no exército alemão e que poderia acabar com a guerra. O ataque alemão à Verdun, contudo, forçou os comandantes Aliados a mudar seus planos e a batalha se tornou primariamente britânica, embora os franceses tivessem contribuido significantemente. Os ingleses prepararam a ofensiva com uma quantidade gigantesca de artilharia como barragem às linhas inimigas e esperavam causar dano suficiente nas defesas alemãs para permitir que seus exércitos tivessem mais vitórias. No primeiro dia de batalha, eles viram que eles haviam falhado em suas ideias iniciais quando calcularam o espantoso número de 60.000 mortes em um único dia! A maior perda de vidas em um dia da história britânica. Os ataques continuaram por toda Somme até 13 de novembro de 1916, quando a ofensiva terminou. A batalha, seria muito importante para os Aliados, uma vez que forçou os alemães a recuarem 40 milhas e, no último estágio da guerra, a tornar os Aliados vitoriosos, em 1918. Os Aliados pagaram e muito caro por tal vitória, perdendo 623.906 homens, incluindo 100 tanques e 782 aviões. Os alemães perderam 600.000 homens.

2. Ofensiva da Primavera (1.539.715 mortes)
Também conhecida como Ofensiva Ludendorff Offensive ou o kaiserschlacht (Batalha do Kaiser), a Ofensiva da Primavera foi lançada, como o nome sugere, na primavera de 1918. Os alemães estavam contra a parede, com os Aliados cercando-os por todos os lados, as inúmeras baixas e os recursos escassos. O general alemão Erich Ludendorff foi escolhido para efetuar uma última ofensiva antes que os americanos entrassem na guerra para guarnecer o lado inimigo e lançou a ofensiva em 21 de maio de 1918. O plano era atacar fortemente os britânicos em Somme para quebrar as linhas dos Aliados, principalmente o exército inglês, em busca de, talvez, um armistício. Usando suas tropas de movimentação rápida conhecida como "stormtroopers" (isso mesmo, como em Star Wars"), os alemães iniciaram e realizaram avanços significativos, empurrando os Aliados para tráse ganhando terreno. Contudo, a operação começou a perder força, sua mobilidade rápida não era acompanhada pelo envio de suprimentos em tempo, suas unidades começaram a falhar em várias instâncias e a perder tudo o que haviam conquistado. Os alemães perderam mais de 680.000 homens em batalha, principalmente as unidades de stormtroopes e os Aliados, combinados, perderam mais de 850.000 homens e não puderma impedir ou conseguir sobrepujar a vinda das forças americanas que estavam ativas e em melhores condições.

1. A Ofensiva dos 100 Dias (1.855.369 mortes)
Com a falha na Ofensiva da Primavera, os alemães se encontravam em uma situação delicada e terrível. Os Aliados, por outro lado, estavam abatidos, mas ainda na ativa e com mais vantagem que seus inimigos agora que contavam com as tropas americanas prontas para a batalha e com muito mais disposição física para tal, todas sob o comando do general John “Blackjack” Pershing. O supremo comandante Aliado, Marshal Ferdinand Foch, decidiu que os aliados deveriam voltar à ofensiva e concordou em planejar a proposta do comandante inglês Sir Douglas Haig para atacar os alemães em Amiens. O ataque foi conhecido como Batalha de Amiens e foi um sucesso, forçando os alemães a abandonar as linhas de Amiens e foi seguido de outros ataques como a segunda batalha do Somme, a segunda Noyons e segunda Arras. O resultado foi um sucesso espetacular, as linhas germânicas se partiram e os alemães foram forçados a se retirarem para Hidenburgo. Os já exaustos soldados alemães não tinham mais muito o que fazer a não ser defenderem suas linhas, cedendo posteriormente ao armistício em 11 de novembro de 1918, trazendo um fim à Primeira Grande Guerra. A Ofensiva dos 100 Dias foi um sucesso absoluto para os Aliados, mas, novamente e uma última vez nesta guerra, a contagem de corpos foi além do que qualquer um na época e mesmo hoje conseguia imaginar. Os Aliados perderam o número gritante de 1.069.636 homens, incluindo 127.000 americanos. Os alemães, por sua vez, perderam 785.733 homens.

REFEERÊNCIAS
JUREK, J. TOP TENZ.Disponível em: <http://www.toptenz.net/top-10-bloodiest-battles-of-world-war-i.php#.WXNXeYTyvIV>. Acesso em: 22 jul. 2017.
BROSNAN, M. et al. 10 Significant Battles Of The First World War. In: IMPERIAL WAR MUSEUM. Disponível em: <http://www.iwm.org.uk/history/10-significant-battles-of-the-first-world-war>. Acesso em: 22 jul. 2017.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

https://o.twimg.com/2/proxy.jpg?t=HBgtaHR0cDovL3N0YXRpYy5vdy5seS9waG90b3Mvb3JpZ2luYWwvN3RqZ24uZ2lmFOwJFOwJABYAEgA&s=Y-LkLtRmCw5Iq1wTo8dBqpPeNRJBdcMy8ytpeCBGjts