Resenha de livro: Kitty, Editora Arwen

795952 Lançamento recente da Editora Arwen, Kitty poderia ser um conto de fadas moderno, mas é mais do que isso, é uma metáfora muito bela sobre quem nos somos, como nos vemos e o que vêem sobre nós. Kitty é o segundo livro de Elle S., lançado pela editora Arwen. O livro tem 283 paginas que você vai ler como se não houvesse amanhã, tamanho o apego e carinho que é possível desenvolver por cada personagem. Kitty é uma gata de rua, orgulhosa, altiva e auto suficiente que vive em São Paulo, sobrevivendo ao dia-a-dia se abrigando para dormir, evitando confusões e recebendo restos de comida de um ajudante de cozinha nos fundos de um restaurante. Certo dia, é abordada por um rapaz bêbado e em prantos que, completamente embriagado, fala com a gata a esmo e decide levá-la para casa, a contragosto da felina, que nada pôde fazer a não ser esperar pelo momento propício para fugir de seu pretendente a dono. Este seria o início das aventuras de Kitty, se os infortúnios dela já não tivesse começado há um tempo atrás: ela é mais do que uma gata de rua, é amaldiçoada, privada de sua voz para se comunicar com outros e que traz naquele corpinho felino uma forma humana. Os protagonistas Kitty e Eduardo, o rapaz bêbado do beco, com cabelos ruivos e jeito bondoso, são muito ricos e suas atitudes, muito verossímeis à exemplos de pessoas que conhecemos em nossas vidas, principalmente no início da obra, torna, em algumas vezes, agoniante a experiência da leitura, afinal, quem nunca aconselhou amigo ou amiga sobre melhora da auto estima, amor próprio e solidão mesmo diante da relutância deste? 10393709_643953202382142_4249834102545319748_n   A falta de amor e carinho sofrida pelos personagens principais é o principal mote para as ações destes que interagem com os demais, de forma a realizarem um feedback uns com os outros. Um dos meus personagens favoritos foi o melhor amigo de Eduardo: Arthur, jovem animado, amigo fiel e um cozinheiro de mão cheia, cujo amor por cozinhar o levou a ser muito bem sucedido, embora a família não o apoiasse nesta sua vocação. Arthur é o personagem que ajuda a estória a se desenrolar, pois sua percepção aguçada e amor de irmão pelo amigo ruivo nos instiga a saber o potencial que ele tem para fazer tudo virar de cabeças para baixo. Juntamente com o habilidoso cozinheiro temos Marvin, o gato castanho e altivo, cujo dono é amigo dos rapazes e que também traz surpresas para o enredo. Ele é o único a conseguir se comunicar com Kitty depois de séculos, pois pode entendê-la e decide ajudá-la em sua saga para um dia talvez quebrar a maldição. Contudo, nem tudo são rosas na vida de Kitty que possui dores profundas em seu passado, advindas de sua condição de felina e de humana, onde ela passou por humilhações, pela força do ódio e pela vergonha de ser enxotada pelo que ela era. Esta sua nova fase de vida ao lado de Eduardo também tem um catalisador de desgraças, uma pedra no meio do caminho chamada Alice, uma mulher que não sai do pé do rapaz, fazendo com que ele sofra muito e para piorar ela não gosta de gatos!!! Ellen S. é realmente boa em se tratando de construção de personagens, dos mais representativos aos que menos aparecem, é possível ter uma visão geral das índoles de cada um, entender suas motivações e caminhos que seguem. Seu texto é muito fluido e os diálogos tornam o texto mais dinâmico, não se atendo ao excesso de descrições. Kitty tem elementos de fantasia que fogem dos contos de fadas mais convencionais e se aproxima mais dos mundos fantásticos criados e descritos como autores como Neil Gaiman (como em sua obra Stardust), onde vemos situações mais cômicas, sarcasmos e notas de realidade como nudez, desejo físico, entre outros. O que mais achei interessante na trama foi ela me surpreender perto do final, quando eu achava que sabia tudo o que ia acontecer, tive gratas surpresas em sequência. Outro ponto no qual é importante tocar é em como Elle S. consegue descrever coisas e sensações pelo ponto de vista de Kitty e de seu desconhecimento sobre ela como em momentos em que ela descreve os itens e o processo de maquiagem: "E depois daquilo ainda tivera a sessão de produos pegajosos no meu rosto. Uma farinha cheirosa, coisas gosmentas, mais póse um lápis riscando ao redor do olho" - p. 237. Estas sutilezas inseridas a o longo do texto sobre a percepção da gata em relação ao mundo, mundo que ela viu mudar estando em outra forma, e a percepção das demais pessoas ao redor dela deixam tudo muito mais cheio de valor e com coisas a se perceber e a se pensar sobre. Não quero falar sobre minúcias do livro, porque spoilers tiram muito da graça de obras como esta. Finalizo dizendo que o livro é muito bom, altamente recomendado por mim, a Pimenta, para todas as pessoas, pois o livro não é específico para gêneros, mas deve ser apreciado para todos que curtem uma estória legal. Você pode até não concordar com todas as ações desta gatinha incomum, contudo vai se olhar no espelho perguntando se não sentiria o mesmo e faria o mesmo se fosse você.   Ficha técnica Título: Kitty Autora: Elle S. Editora: Arwen Edição: 1ª Ano: 2014 Idioma: Português Gênero: Romance | Ficção Páginas: 283

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

https://o.twimg.com/2/proxy.jpg?t=HBgtaHR0cDovL3N0YXRpYy5vdy5seS9waG90b3Mvb3JpZ2luYWwvN3RqZ24uZ2lmFOwJFOwJABYAEgA&s=Y-LkLtRmCw5Iq1wTo8dBqpPeNRJBdcMy8ytpeCBGjts