Resenha: O Espadachim de Carvão, de Affonso Solano

o-espadachim-de-carvao

Por Leonardo Targeta

“Filho de um dos quatro deuses de Kurgala, Adapak vive com o pai em sua ilha sagrada, afastada e adorada pelas diferentes espécies do mundo. Lá, o jovem de pele absolutamente negra e olhos brancos cresceu com todo o conhecimento divino a seu dispor, mas consciente de que nunca poderia deixar sua morada. Ao completar dezenove anos, no entanto, isso muda.Testemunhando a ilha ser invadida por um misterioso grupo de assassinos, Adapak se vê forçado a fugir pela vida e se expor aos olhos do mundo pela primeira vez, aplicando seus conhecimentos e uma exótica técnica de combate na busca pela identidade daqueles que desejam a morte dos Deuses de Kurgala”.

Fala galera, é com essa sinopse que começamos mais uma resenha, agora falando do livro de fantasia e aventura fantástica chamado O Espadachim de Carvão de Affonso Solano.

Esse é o primeiro livro de Affonso Solano, porém não deixa de ser um livro extremamente interessante e gostoso de se ler. Affonso Solano cria um universo novo e único com seres incríveis de personalidades bem distintas.

O livro começa nos mostrando o personagem principal, Adapack. Ele fora criado por um dos deuses do reino de Kurgala e treinado em artes de espadas chamada de ciclos, que permite que o detentor da arte possa lutar com vários oponentes e ainda traçar meios de vencer da maneira mais rápida possível, mas a vida de Adapak e um mistério até mesmo para ele. Mistério esse que vai se desvendando durante o livro, com personagens ou belíssimos flashes de passado.

O mundo Kurgula e muito rico e vasto com uma gana de personagens, criaturas e seres fantásticos, únicos e criados com esmero e cuidado para uma história gostosa e de fácil leitura. Affonso-Solano_Divulgação

Affonso Solano, autor de O Espadachim de Carvão e Co-criador do site e podcast Matando Robôs Gigantes



Vi na internet que no lançamento do livro, muitas pessoas clamavam por um glossário, no início e até “entendível”, mas conforme a historia passa, cada raça fica bem esclarecida como os interesses e aspectos que diferenciam cada uma.

Um outro ponto forte do livro foi que Solano criou uma linguagem própria e complexa para o mesmo, contando até mesmo com uma passagem de anos específica e até mesmo uma moeda local.

Enfim, O Espadachim de Carvão e um livro rico de detalhes, cenário e personagens cativantes, conforme se ler mais você quer saber sobre o mundo que Solano criou. Um mundo fantástico, lindo e principalmente inovados.

Minha opinião: vale a leitura com toda a certeza. É ler e esperar pelas novas aventuras de Adapack. Uma coisa importante à se falar: já saiu a sequência do livro, denominada “O Espadachim de Carvão: As Pontes de Puzur”, que teve um grande lançamento e até tardes de autógrafo com o Solano, inclusive na Comic Con Experience, ocorrida em dezembro de 2015.

Aguardem a resenha de As Pontes de Puzur aqui no site! Abraços.

 

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Jorge Augusto disse:

    Taty, sua resenha ficou ótima. Só faltou dizer que a descrição utilizada para as batalhas é impressionante, cada movimento, cada possível reação do adversário e de qual maneira isso era finalizado era absurdamente detalhada. Outra coisa é a ingenuidade de Adapak, enquanto ele tinha todo o conhecimento necessário, ele não tinha a experiência. Mas, neste ponto, ter lido o livro “As Aventuras de Tamtul e Magano” se provaram eficientissimas, e em as Pontes de Puzur sabemos onde surgiram esses contos… Deixo aqui também meus parabéns ao Affonso Solano, porque a escrita dele é muito boa até, mas eu queria ver se ele é capaz de escrever ao estilo descritivo, como faz o Eduardo Spohr.

    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

https://o.twimg.com/2/proxy.jpg?t=HBgtaHR0cDovL3N0YXRpYy5vdy5seS9waG90b3Mvb3JpZ2luYWwvN3RqZ24uZ2lmFOwJFOwJABYAEgA&s=Y-LkLtRmCw5Iq1wTo8dBqpPeNRJBdcMy8ytpeCBGjts